Parabéns pelos 93 anos do serviço de amador!

Em 25 de Novembro de 1927, no plenário final da 3ª “Conferência Internacional sobre Radiotelegrafia”, antecessora das conferências hoje conhecidas como “Conferência Mundial de Rádio” (WRC), representantes de 74 governos assinaram a “Convenção Radiotelegráfica Internacional de Washington” (1927), que reconheceu o serviço amador internacionalmente.

Nesta Conferência atribuiu-se o espectro de frequências entre 10 kHz e 60 MHz a diferentes serviços.
O serviço de amador obteve as bandas 160m, 80m, 40m, 20m, 10m e 5m.

Dois anos antes (1925) havia sido fundada a IARU – International Radio Amateur Union –  que, a partir de 1932, representaria os radioamadores na ITU, participando na CCIR, Comité Internacional Consultivo das Radiocomunicações, mais tarde designado por         ITU/ R (Radiocommunication).

Parabéns ao radioamadorismo pelos seus 93 anos !

Curso de Telegrafia

Caros colegas, como é sabido, o GPCW abriu inscrições para um novo curso de Telegrafia, inesperadamente e para nosso espanto, as inscrições ficaram completas em minutos. Estamos a fazer os possíveis para que sejam criadas novas turmas. Agradecemos a vossa confiança no GPCW.
Não deixa de ser interessante verificar que há cada vez mais “OMs” a interessarem-se por em modo de transmissão, afinal a Telegrafia está viva e recomenda-se.

O Radioamadorismo ficou mais pobre

O Grupo Português de CW foi criado em 2010, em 2017, eu e o Pedro-CT1DBS reanimamos o GPCW em que o Pedro teve uma grande quota parte de trabalho.
É com muito pesar que anunciamos o falecimento do nosso amigo Pedro. Infelizmente o Pedro perdeu a batalha contra este maldito vírus.
Descansa em paz grande amigo.

Pedro-CT1DBS fazendo uma demonstração de como se opera o satélite QO-100 Field Day da ARVM em 2019

110º ano após o início das comunicações radiotelegráficas na Marinha Portuguesa

Refª – Vídeo no final do texto

Comemora-se  a 16 de Fevereiro, o 110º aniversário da ligação radiotelegráfica entre Vale do Zebro* e o Posto Radiotelegráfico do Arsenal da Marinha, que marca o início das comunicações regulares usando “Telegrafia Sem Fios” (T.S.F.) naquele ramo das Forças Armadas.

posto radiotelegrafico casa da Balança 1
Posto Radiotelegráfico da Casa da Balança, em Fevereiro de 2016
Crédito: Fotografia da Marinha Portuguesa​​​ (www.marinha.pt)

Na comunicação apresentada na Academia de Marinha, pelo Membro Efectivo Contra-Almirante Leiria Pinto, em 1 de Junho de 2010, intitulada “AS COMUNICAÇÕES NA MARINHA – Dos primórdios a 1975” pode ler-se:

Foi a 16 de Fevereiro de 1910, a data histórica de que presentemente se comemora o centenário, quando Vale de Zebro é ligado ao Posto Radiotelegráfico do Arsenal da Marinha, recém instalado na Casa da Balança**,  o qual se considera a primeira estação radiotelegráfica portuguesa.

No fim do ano de 1910, além destes dois postos, dispunham de equipamentos radiotelegráficos os seis cruzadores; “S. Gabriel”, “Almirante Reis” (ex. “D. Carlos”), “São Rafael”, “Adamastor”, “Vasco da Gama” e “República” (ex. “Rainha D. Amélia”).

Estavam assentes os alicerces da T.S.F. na Marinha, tornava-se agora necessário estabelecer os vários pólos radiotelegráficos que permitissem uma rede de comunicações alargada e consolidada.

Em 1913, o Posto da Casa da Balança é aberto ao serviço público móvel marítimo, sendo considerado, por esse facto, a primeira estação pública de T.S.F..
Era já a “Marinha de duplo uso”.

* NR – Actualmente é a Escola de Fuzileiros.
** NR – Actuais Edifícios da Administração Central da Marinha, na Av Ribeira das Naus, em Lisboa.

Vídeo – Centenário da Radiotelegrafia na Marinha

Dia Mundial da Rádio – 13 de Fevereiro

Sugestão:
Comemore este Dia fazendo, pelo menos, um QSO.
A rádio é a “praia do radioamador”!

O Dia Mundial da Rádio foi deliberado na 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em 14 de Fevereiro de 2013, sob proposta da UNESCO, sendo a proposta inicial da Espanha, realizada em 2011.

A data de 13 de Fevereiro foi a data que marcou o inicio das emissões da Rádio Nações Unidas, em 1946.

Relembra-se que a rádio é o meio de comunicação com  maior audiência no mundo.
É ainda reconhecido como sendo uma potente ferramenta de comunicação com um custo modesto.

A rádio é especialmente capaz para chegar a comunidades que vivem em zonas remotas e a pessoal vulneráveis: O analfabetos, os deficientes, aos jovens, aos pobres.
Permite, no entanto, a suscitar o debate público, independentemente do grau de literacia dos ouvintes.

Tem ainda, um forte e único papel nas comunicações de emergência e na reabilitação das sociedades após as catástrofes.

A face da rádio tem vindo a mudar, nestes tempo de convergência dos meios de comunicação social, tendo sabido manter-se a par com as novas tecnologias e, tirando partido destas, sabido adoptar novas formas, utilizando internet de banda larga, telefones e tablets.
Contudo, é necessário realçar que, mesmo com toda esta diversidade, calcula-se que um mil de milhões de pessoas ainda não têm acesso a escutar emissões de rádio!

96º aniversário do 1º QSO atlântico! Em CW, claro!

O primeiro QSO (em CW, claro) entre ambos os lados do atlântico foi feito em 28 de Novembro de 1923, entre Fred Schnell 1MO (USA) e Leon Deloy F8AB (França).

A imagem é da QSL enviada por 1MO.

De notar que o serviço de amador só foi criado 5 anos mais tarde (ITU)!…

Aqui nos reverenciamos, lembrando aqueles pioneiros!

Parabéns pelos 92 anos do serviço de amador!

Em 25 de Novembro de 1927, no plenário final da 3ª “Conferência Internacional sobre Radiotelegrafia”, antecessora das conferências hoje conhecidas como “Conferência Mundial de Rádio” (WRC), representantes de 74 governos assinaram a “Convenção Radiotelegráfica Internacional de Washington” (1927), que reconheceu o serviço amador internacionalmente.

Nesta Conferência atribuiu-se o espectro de frequências entre 10 kHz e 60 MHz a diferentes serviços.
O serviço de amador obteve as bandas 160m, 80m, 40m, 20m, 10m e 5m.

Dois anos antes (1925) havia sido fundada a IARU – International Radio Amateur Union –  que, a partir de 1932, representaria os radioamadores na ITU, participando na CCIR, Comité Internacional Consultivo das Radiocomunicações, mais tarde designado por  ITU/ R (Radiocommunication).

Parabéns ao radioamadorismo pelos seus 92 anos !

Comunicado

Na sequência do convite a todas as associações de radioamadores (AR), amplamente divulgado, reuniram-se vinte e uma (21) associações de radioamadores (AR), em Santarém, em 26 de outubro de 2019, para analisar e propor uma nova legislação para o serviço de amador e serviço de amador por satélite.

As AR estabeleceram como objetivos tornar a legislação do radioamadorismo mais adequada aos tempos atuais, entregando ao poder político um documento estruturado, claro, preciso e conciso onde fiquem claras as nossas intenções, onde seja evidente a representação da esmagadora maioria dos radioamadores nacionais e se enfatize a importância do radioamadorismo no tecido social, humano, cultural e tecnológico.

Estabeleceram-se, ainda, como objetivos assegurar que uma legislação moderna seja facilitadora da cultura científica, do radioamadorismo e do recrutamento de novos radioamadores.

Para cumprimento dos objetivos, as AR deliberaram sobre um conjunto de medidas que levem à formulação de uma proposta legislativa a ser entregue ao Governo, durante o primeiro semestre de 2020.

Como método de trabalho, decidiram as AR, entre outras, as seguintes medidas:

  • Estabelecer um calendário de trabalhos, incluindo os momentos de auscultação dos(as) associados(as) das diferentes associações e a votação final do documento a entregar;
  • A forma de deliberar nos diferentes trabalhos que decorrerão ao longo dos próximos meses;
  • A constituição de diferentes Grupos de Trabalho para estudo e propostas referentes a diferentes áreas do serviço de amador, nomeadamente, categorias e indicativos, associações, espectro/QNAF, estações de uso comum, procedimentos, licenciamento e regime de taxas.

Santarém, 28 de outubro de 2019

AMSAT-PO, Associação de Amadores de Satélite de Portugal
ARADO, Associação de Radioamadores do Oeste
ARAL, Associação de Radioamadores do Distrito de Leiria
ARAM, Associação de Radioamadores do Alto Minho
ARBA, Associação de Radioamadores da Beira Alta
ARBB, Associação de Radioamadores da Beira Baixa
ARC, Associação de Radioamadores de Coimbra
ARETD, Associação de Radioamadores de Entre Tâmega e Douro
ARLA, Associação de Radioamadores do Litoral Alentejano
ARLC, Associação de Radioamadores da Linha de Cascais
ARR, Associação de Radioamadores do Ribatejo
ARRLx, Associação de Radioamadores da Região de Lisboa
ARVM, Associação de Radioamadores da Vila de Moscavide
CRE, Clube de Radioamadores do Entroncamento
LARS, Liga Amadores Rádio Sintra
NRA, Núcleo de Radioamadores da Armada
RCL, Radioamador Clube de Loulé
REP, Rede dos Emissores Portugueses
TRGM, Tertúlia Radioamadorística Guglielmo Marconi
TRPV, Tertúlia Radioamadorística da Praia da Vitória
URA, União de Radioamadores dos Açores