Dia Mundial do Código Morse – 27 de Abril

Comemora-se o Dia do Código Morse a 27 de Abril, data de nascimento de Samuel Morse.
Para além do texto que se reproduz abaixo, sugere-se que neste dia cada um de nós faça, pelo menos, um QSO em CW.

Um QSO em telegrafia…Nem sabe o bem que lhe fazia! 🙂

Se quiser saber mais sobre o CW, encontra um conjunto de textos, na sua maioria do António Gamito, CT1CZT, no nosso site.

Mas vale a pena ler o que se segue, sobre esta linguagem Samuelina que muitos ouvem falar e alguns têm o privilégio de entender!

Texto publicado no forúm KX-3, em 30OUT2017, por Wayne Burdick, N6KR
Traduzido para Português por Pedro, CT1DBS
NT – Nota da tradução

Acho que o CW tem muitos aspectos práticos e de encantamento que não encontro nos modos digitais, como o FT-8. Não pensem que agora já estou todo queimado com o CW, depois de 45 anos depois de ter feito exame, mas não, continuo a praticá-lo. 😊

Sim, com o FT-8 (etc.) não é preciso pensar muito quando, apesar de condições precárias [NT – propagação..], o seu objectivo é registar tantos contactos quanto possível, com tantos estados ou países quanto possível. É tão simplificado e eficiente que todo o processo é facilmente automatizado. (Se ainda não leram opiniões suficientes sobre o assunto, vejam “The mother of all FT8 threads” no QRZ.com, por exemplo.)

Mas voltemos ao CW. E porque é que ele funciona para mim. YMMV [NT – na minha modesta visão]

O CW é pessoal e visceral, é como conduzir um carro desportivo em vez de apanhar um táxi. Tal como num carro desportivo há riscos. Pode apanhar veículos longos na estrada (QRM). Pode apanhar condutores agressivos (QRN). Cair em buracos (QSB). Ser forçado a conduzir debaixo de chuva ou em condições atmosféricas adversas (QRN).

Com o CW, tal como outras formas de conversação, pode-se mudar o estilo. Enganar-se. Brincar com o assunto.

O CW é uma capacidade que liga operadores de diferentes gerações e países. Uma linguagem, uma mistura de linguagens mais que outra coisa qualquer, com abreviaturas e expressões históricas e algumas questões estranhas. Um clube a que qualquer pessoa se pode associar. (Com 60 anos e capaz de receber a 50 palavras por minuto, num bom dia, posso classificar-me como uma modesta figura esquisita [NT – Nerd Mason, no original], sem valor em qualquer outro domínio, mas muito valioso num concurso.)

Com equipamento muito simples que qualquer pessoa pode construir, tal como um oscilador que use um só transístor de potência, pode ser transmitido um sinal de CW. Tinha muito pouca experiência com electrónica quando, com 14 anos, construí um oscilador com uma potência de saída que alcançava, talvez, 100 mW. Entrelacei as pernas dos componentes e liguei o colector [NT- do transístor] a uma pilha de 9 Volt.

Com este simples circuito na mesa, acoplado a uma espia do mastro de TV, contactei uma estação a 150 milhas [NT – 240 km, aprox.] e fiquei imediatamente agarrado para construir mais coisas. E em QRP. Tenho a certeza que o sinal tinha cliques e estava cheio de harmónicas. Passei o resto da vida a fazer com que este tipo de coisas funcionasse melhor, mas foi assim que tudo começou.

Indo mais abaixo na cadeia alimentar tecnológica, pode-se fazer CW assobiando, utilizando uma lanterna, dando toques na perna de alguém debaixo de uma mesa nas aulas de cidadania ou batendo com uma chave no casco de um navio virado de pernas para o ar [NT – naufragado], tal como aconteceu em Pearl Harbour.  No último Sábado, num clube de tecnologia a que pertence o meu filho, um miúdo de 9 anos mostrou um Arduíno Uno em que um led, utilizando Morse, piscava “Hello World”. Os outros miúdos ficaram impressionados, incluindo o meu filho, que rapidamente escreveu um programa que enviava simultaneamente, para três diferentes leds, três diferentes mensagens, em Morse. Um mini pileup. O seu primeiro programa.

Afinal de contas, para fazer CW não é necessário usar computador, teclado, rato, ecrã ou software. Essas coisas são insubstituíveis no nosso dia-a-dia, mas, para mim, poder desligar tudo excepto o radio é um ponto alto no meu dia. A luz ténue do display brilha como um místico portal para o meu espaço pessoal, o espectro de RF. Se não subir a potência, não há barulho nem da ventoinha. Rodar o botão [NT – do VFO] lentamente, desde a parte baixa de uma banda até ao topo é quase como pescar no meu ribeiro favorito, Taylor Creek, que liga Fallen Leaf Lake a Lake Tahoe.

Puxar a linha através daquela massa verde, daquela água iluminada pelo sol. Ver o que picou. Truta grande? Truta pequena? Eh, é pesca de qualquer forma e um QSO para o outro lado da cidade é um QSO. Admire-o e repita.

(Já agora: Agora sabe porque é que o K3, o K3S, o KX-2 e o KX-3 da Elecraft têm um descodificador incorporado de RTTY e PSK, que permite transmitir no mesmo modo usando a chave iâmbica e receber no display do equipamento. É que decidimos fazer com que esses modos fossem conversacionais…Tal como o CW).

Voltando para os 40 metros…

73,

Wayne Burdick
N6KR

[NT- Wayne Burdick (N6KR) foi co-fundador da Elecraft, em 1988, conjuntamente com Eric Swartz (WA6HHQ)]

Parabéns pelos 90 anos do serviço de amador!

Em 25 de Novembro de 1927, no plenário final da 3ª “Conferência Internacional sobre Radiotelegrafia”, antecessora das conferências hoje conhecidas como “Conferência Mundial de Rádio” (WRC), representantes de 74 governos assinaram a “Convenção Radiotelegráfica Internacional de Washington” (1927), que reconheceu o serviço amador internacionalmente.

Nesta Conferência atribuiu-se o espectro de frequências entre 10 kHz e 60 MHz a diferentes serviços.
O serviço de amador obteve as bandas 160m, 80m, 40m, 20m, 10m e 5m.

Dois anos antes (1925) havia sido fundada a IARU – International Radio Amateur Union –  que, a partir de 1932, representaria os radioamadores na ITU, participando na CCIR, Comité Internacional Consultivo das Radiocomunicações, mais tarde designado por         ITU/ R (Radiocommunication).

Parabéns ao radioamadorismo pelos seus 90 anos !